18 Dezembro

Em iniciativa de vanguarda, “Letramento em Saúde” passa a contar com Liga em projeto de extensão na Unimontes

Written by 

Por Ascom/Unimontes

 

Trabalho impacta na qualidade do serviço prestado, com o melhor diálogo entre profissionais e usuários

 

A Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) passa a contar, a partir deste semestre, com a Liga Acadêmica de Letramento em Saúde. Trata-se de um projeto vinculado à Pró-Reitoria de Extensão e que envolve diretamente cinco Departamentos: de Fisiopatologia, de Educação Física e do Desporto, Odontologia, Enfermagem e de Comunicação e Letras. A iniciativa pioneira é coordenada pela professora e pesquisadora Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins, do Departamento de Odontologia.

O letramento em saúde (LS) consiste na capacidade de acessar, compreender, avaliar e aplicar as informações relacionadas à saúde, tendo em vista a manutenção e/ou a melhoria das condições de saúde”, afirma a professora Andréa Eleutério, que é doutora em Saúde Pública, com área de concentração em Epidemiologia.

“O letramento em saúde demanda habilidade, conhecimento, competência e motivação”, completa a pesquisadora, que teve a oportunidade de abordar os objetivos do projeto de extensão, como convidada especial do podcast produzido pela Rede Brasileira de Letramento em Saúde (Rebrals). Apresentado pela professora Helena Sampaio, diretor da Rebrals, o podcast de 34 minutos de duração está disponível no link: https://cutt.ly/tYZpQkV ou pelo Spotify.

 

 

 

Rede Brasileira em Letramento de Saúde destacou a ação da Unimontes em Podcast oficial

 

A professora Andréa Eleutério destaca que o projeto de extensão sobre o Letramento em Saúde já foi submetido aos Departamentos e Coordenações didática dos cursos da área de saúde da Unimontes. Por outro lado, lembra que ainda será apresentado ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepex) da Universidade para a aprovação e a institucionalização.

De acordo com a responsável pelo projeto, as atividades da Liga Acadêmica de Letramento em Saúde serão realizadas a cada 15 dias, envolvendo professores voluntários e acadêmicos. “Teremos atividades junto à comunidade, com a participação dos usuários do SUS (Sistema Único de Saúde)”, afirma Andréa Eleutério. Estão previstas atividades pelo sistema online e ações práticas nos postos de ESF (Estratégia de Saúde da Família).

 

Professora Andréa Maria Eleutério é a coordenadora da Liga Acadêmica de Letramento em Saúde

 

PARTICIPAÇÃO ABERTA

A pesquisadora salienta que a Liga Acadêmica de Letramento em Saúde da Unimontes também será aberta estudantes de cursos de saúde de outras instituições superiores. Além disso, a iniciativa poderá abranger cursos fora da área de saúde, como Direito.

“O nosso objetivo é envolver todos os interessados em melhorar a qualidade de vida das pessoas. O Letramento em Saúde deve sempre ter como propósito a melhoria de todos os seres humanos e da sociedade. Todos podem colabora na construção de um mundo melhor”, afirma André Eleutério.

 

META DA OMS

O Letramento em Saúde está entre as metas da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização Mundial de Saúde (OMS) para a melhoria da qualidade de vida e o desenvolvimento sustentável. A proposta também foi inserida na Declaração de Xangai, da 9ª Conferência Global de Promoção da Saúde realizada em 2017.

Entre as ferramentas que o Letramento em Saúde, Andréa Eleutério salienta que a temática visa a boa comunicação entre os profissionais e os usuários atendidos. Nesse sentido, lembra-se dos três pilares: “Ask me three” “Feedback” e “Show me”, com explicações práticas.

“Ask me three” consiste em três perguntas básicas: qual o problema? Como pode ser resolvido? Como o profissional de saúde pode colaborar para solucionar o problema?”, detalha a pesquisadora. O “Show me” é a demonstração pelo profissional junto ao paciente, da maneira correta sobre o uso de um medicamento ou de um instrumento voltado para melhoria da saúde – como a insulina (uso contínuo por diabéticos) e de um aparelho indicado para a surdez, por exemplo.

Já o “Feedback” é a maneira como o paciente dá o retorno para o profissional de saúde a respeito da evolução ou resultado do tratamento, medicação e condutas.

Segundo a pesquisadora, projeto será apreciado pelo CEPEx para ser institucionalizado pela Universidade

Read 146 times Last modified on Sábado, 18 Dezembro 2021 14:47
Rate this item
(0 votes)